• Autonomia e Independência Pessoal em crianças, jovens e adultos com Necessidades Educativas Especiais

    A autonomia e a independência pessoal são essenciais para a sobrevivência do ser humano. À medida que a criança se desenvolve tanto físico como emocionalmente, vai sendo capaz de realizar as coisas por si mesma, conquistando assim a sua autonomia.

    Por isso, ao encorajarmos as nossas crianças a realizar tarefas simples como, comer e vestir sozinhas ou arrumar a mochila da escola, estamos a incutir-lhes responsabilidades como também o aperfeiçoamento e o desenvolvimento da sua praxia global e final.

    O sucesso nestas atividades permite à criança sentir confiança para experimentar novas coisas e consequentemente ir aumentando a sua independência.

    Lou Brown (1989) definiu 6 áreas de independência pessoal:

    •  Alimentaçãoau
    •  Higiene
    •  Vestuário
    •  Mobilidade
    •  Saúde e Segurança
    •  Atividades da Vida Diária

    No caso das crianças, jovens e adultos com NEE por vezes torna-se uma tarefa difícil que, sem o apoio necessário e sem um trabalho de equipa (escola, família, terapeutas), pode tornar-se numa experiência muito frustrante para a criança e para a sua família.

    Qual o primeiro passo?

    É de extrema importância que desde cedo sejam trabalhadas estas competências.

    Numa primeira fase deve ser feita uma avaliação da criança, jovem ou adulto identificando as áreas em que necessitam de maior assistência por parte do adulto (no tomar banho, vestir, comer, etc…) nos diferentes contextos ( escola, casa, comunidade, etc.).  As atividades e/ou competências a serem trabalhadas deverão ser determinadas pelos seguintes critérios:

    1.  A sua funcionalidade
    2.  Se está relacionada com a idade cronológicakhv
    3. Se é útil ao longo da vida
    4.  Se corresponde às expectativas e desejos da família e do próprio aluno
    5. Se promove a sua comunicação, a sua autonomia, o seu desenvolvimento físico e intelectual
    6. Se é suscetível de ser aprendidas em tempo útil

    Para facilitar a aquisição destas competências poderão ser usadas estratégias como modelação ou pistas visuais. Podem também ser criadas rotinas recorrendo a imagens, como por exemplo imagens do SPC (símbolos pictográficos para a comunicação), ou até imagens reais da própria criança, para desta forma promover a sua autonomia. Todos os sucessos devem de ser valorizados e sempre que necessário repetir os procedimentos.

    Como podem os pais promover momentos de aprendizagem na rotina familiar?

    • Ajudar a pôr a mesa;
    • Por a loiça na máquina;
    • Colocar roupa suja na máquina/cesto;
    • Estender peças simples de roupa;
    • Dobrar peças simples de roupa;
    • “Puxar as orelhas” dos lençóis da cama;
    • Arrumar o quarto;
    • Escolher a roupa para vestir;
    • Preparar o lanche.

     

     

    Para mais informações sobre o nosso Programa de Treino de Autonomia contactar geral@turbilhaomagico.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *